terça-feira, 4 de agosto de 2009

"NÃO É PRECISO SER BADERNEIRO PARA PROTESTAR!"




Lidio Lima


Alguns amigos e conhecidos se disseram surpresos ao ler o que escrevi no blog do Felipe Nóbrega, o comentário foi ao seu texto sobre a denuncia do MP contra a prefeitura. Transcreverei o comentário, o comento vem logo em seguida:


“E agora José? Deve ser o que o pessoal dos Branco deve estar pensando, bomestaria se entendesse alguma coisa de poesia. Vamos trocar a frase por "Agoranós se fu!". Se bem que essa gente tem ligações no Piratini, na Câmara dosdeputados. E em tempos de Sarney "sai-não-sai" quem vai dar atenção para oencobrimento de roubalheira em uma cidadezinha no cu do mundo?(Perdão pelapalavra, não costumo usar a expressão "mundo".) Nós! Nós esteremos de olho! Essadenuncia do MP é o ponto de apoio arquimédico que nos foi dado para catapultar afamília Branco e sua camarilha da prefeitura e se possível da politica emRG. Eles tem muita gente, mas os poucos que estão do nosso lado tem bem mais qualidade! Nem que tenhamos que sair para rua para protestar(esperem fui eu quemdisse isso?), nós iremos! O que não podemos é deixar morrer essa brasa que podenos ajudar a incendiar essa gente! Acordei com síndrome deTorquemada(hehehe).”


O que surpreendeu a muitos foi o fato de eu cogitar sair as ruas em protesto(em negrito), com quem mais quisesse, contra a administração da prefeitura. Ficaram surpresos por não compreenderem algo muito simples, eu iria me manifestar em defesa de um direito meu e não em prol de um “bem comum” ou “do povo”.Creio que não seja em si uma simples incompreensão, mas sim a demonstração de um treinamento, ou adestramento, cultural. Os anos e anos em que todos estão habituados a ver todo o tipo de demagogo e bandoleiro sair as ruas, e os levar junto, erguendo a bandeira do “bem comum”. Eles, ainda, caem nessa!A questão principal é que sairia, e sairei se for necessário, as ruas para protestar em prol dos meus direitos e todos aqueles cidadãos que se sentem lesados, como eu, que venham agir em causa própria, como eu. Nunca sairei dizendo que estou na rua em prol do “fulano” ou do “ciclano” quando em verdade estou em defesa das minhas vontades e direitos. No entanto posso sair para defender o direito de outras pessoas, até o direito a coisas que não tem correlação comigo ou que eu não gosto, pois todos nós sabemos que quando um grupo tem seus direitos tolhidos logo isso se espalha.O “adestramento cultural” nos leva a crer, ao menos leva maioria, que qualquer um que cogite sair em protesto é de “esquerda” ou “revolucionário”, que pretende “defender o povo” e lutar pelos “nossos direitos”. Isso é uma tremenda bobagem. Quem sai as ruas é em defesa de seus interesses, mesmo que, como eu disse acima, não seja a situação um interesse seu , mas impedir que os indivíduos percam direitos é interesse de “todos”. Por tanto não estranhem que eu saia as ruas, brigando e xingando. Sempre será em proveito próprio, como já era de se esperar partindo de mim. Essa gente roubou a minha grana, mais a da minha mãe do que a minha, mas ainda assim é grana da família. Eu poderia ter gasto muito bem a grana do IPTU que essa gente enfiou no bolso. Porém jamais enganarei ninguém dizendo que “temos que sair as ruas para lutar pelos nosso direitos” e depois por no jornal que quem fez tudo fui eu e usar isso como trampolim politico, vocês sabem bem quem eu uso como exemplo.


3 comentários:

Nóbrega disse...

Uma coisa ainda não consegui entender (ihh usar essas palavras será mais um motivo de post por aí hehehehe), e olha que já li mais de uma vez.

Por que tem que ser baderneiro para protestar? Meu amigo, achei seu título tão...estranho e muito contraditório com o texto até.

Fabiano - Barricada Vermelha disse...

Senhor Lídio Lima, eu e outros amigos seus, escolhemos, durante um café, essa foto do seu perfil como uma das coisas mais bregas e canastronas do ano. Tenha bom-senso: Essa cara de austero, cheio de empáfia não pode ser suportada. Seja consciente: Remova-a.

Anônimo disse...

Ah! eu estava nesse café!
e concordo... e não foi difícil chegar a essa conclusão!